Formulário de procura

O Veterinário responde

Veja aqui as mais populares e mais recentes perguntas feitas ao nosso veterinário.

Pergunta enviada

O nosso veterinário responderá à sua questão em breve.

Saiba tudo
sobre nutrição,
saúde e bem-estar
do seu animal de
estimação.

Conheça o nosso veterinário

Dr. Carlos Sousa

Carlos Sousa, licenciou-se pela Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa em 1991, realizando um sonho que alimentava desde criança.

Completou a sua licenciatura com o estágio curricular, na Faculdade Veterinária de Leon, em Espanha, e no Instituto Veterinário do Parque, em Lisboa.

Trabalhou na União Zoófila de Lisboa, no Consultório Veterinário do Barreiro e no Hospital Veterinário dos Foros, antes de realizar um internato de um ano na École Veterinaire D’Alford, em França, nas áreas de cirurgia, ecografia e medicina interna de animais de companhia.

Carlos Sousa, licenciou-se pela Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa em 1991, realizando um sonho que alimentava desde criança.

Completou a sua licenciatura com o estágio curricular, na Faculdade Veterinária de Leon, em Espanha, e no Instituto Veterinário do Parque, em Lisboa.

Trabalhou na União Zoófila de Lisboa, no Consultório Veterinário do Barreiro e no Hospital Veterinário dos Foros, antes de realizar um internato de um ano na École Veterinaire D’Alford, em França, nas áreas de cirurgia, ecografia e medicina interna de animais de companhia.

Durante este período frequentou diariamente a clínica oftalmológica do conceituado oftalmologista Marc Simon, com quem participou em inúmeras consultas e cirurgias oftálmicas, tendo então despertado particular interesse por esta área.

Ao longo dos 20 anos que se seguiram, participou em centenas de congressos e cursos em todo o mundo.

Realizou por várias vezes períodos de treino prático em Hospitais Veterinários de referência em Espanha, França, Reino Unido e EUA, em áreas como oftalmologia, ortopedia, medicina interna e emergências médicas.

Realizou várias formações na área de Gestão Médica.

Fundou, em 1994, a Clínica Veterinária da Póvoa, que num percurso de crescimento deu lugar ao Hospital Veterinário da Póvoa, onde é atualmente diretor clínico.

Perguntas

Sandra Sousa

Boa tarde, tenho três gatas, uma das quais nunca consegui dar o desparasitante interno, só que há dias nas fezes sairam montes de parasitas e ela ficou assustada e nós ainda mais, elas moram num prédio e não teem contato com rua o que me aconselha a fazer

O veterinário responde

Boa noite Sandra,

A desparasitação interna consiste na administração de um desparasitante que pode ser de largo espectro, ou seja, abranger um vasto leque de diferentes parasitas, ou específico para um determinado parasita. Estes desparasitantes apresentam-se sob a forma de comprimidos, pasta ou pipetas e são a única forma segura de eliminar os parasitas gastrointestinais. Deve usar um desparasitante próprio para a espécie e confirmar no folheto informativo a dose de acordo com o peso do animal.

A periodicidade da desparasitação dependerá do meio ambiente e do estilo de vida e como tal deve ser estabelecida pelo médico veterinário que acompanha os seus animais.

Se o seu animal tem acesso frequente e não controlado ao exterior, sobretudo em zonas rurais com mais animais, deverá ser desparasitado cerca de 4 vezes por ano. Da mesma forma, se convive com crianças pequenas que frequentemente levam as mãos e objetos à boca, também deverá ser desparasitado, 4 a 5  vezes por ano. O mesmo procedimento de aplicação caso conviva com mulheres grávidas. No entanto, se for um animal de cidade, que quase nunca sai de casa nem vai a zonas de risco (jardins por ex.) e  não convive com outros animais, poderá ser apenas necessário desparasitá-lo 2 vezes por ano.

Todos os animais que coabitem o mesmo espaço devem ser desparasitados ao mesmo tempo, pelo menos uma vez por ano.

Caso se observe a presença de parasitas nas fezes deve repetir-se a desparasitação passados 15 dias da primeira toma, ou seguir um plano de tratamento mais estrito, adequado ao caso específico da sua gata. O facto de viver num prédio e de as suas gatas não terem acesso ao exterior, não significa que não possam ser parasitadas tanto interna como externamente. Deverá sempre apostar na prevenção, e como tal deve aconselhar-se com o seu médico veterinário sobre o melhor plano e produtos de desparasitação para os seus animais.

Obrigado,

Carlos Sousa

Maria costa

A minha gata está com diarreia à mais de 2 semanas, já tomou xeden, synulox e nada resulta, que me aconselha?

O veterinário responde

Boa noite Maria,

As causas de diarreia são diversas e incluem: presença de parasitas intestinais, mudanças alimentares (alteração do tipo e/ou marca da ração sem uma prévia transição gradual ou rápida transição, por exemplo), patologias sistémicas (pancreatite, problemas renais e hepáticos), viroses, entre outras.

Assim sendo, e dada a duração e persistência da diarreia da sua gata, recomendo que procure ajuda do seu médico veterinário o mais brevemente possível para que seja feito um exame clínico completo, realizados os exames complementares necessários, de forma a alcançar um diagnóstico e iniciar o tratamento adequado.

Realço a importância de não administrar nenhum medicamento ao seu cão sem ordem médica pois existem vários fármacos que são usados em medicina humana que são extremamente tóxicos, podendo ser mesmo letais, para os nossos animais de companhia.

Obrigado,

Carlos Sousa

Ana Carneiro

A minha gata, que tem menos de 6 meses, passou o dia letargica, sem comer nada (cheirava a comida, mas não comia), sendo que ela costuma ser muito ativa e come bastante. Poderá ser indicação de algo grave?Obrigada

O veterinário responde

Boa noite Ana,

A perda de apetite é um sinal clínico muito inespecífico, ou seja, pode estar associado a várias patologias, pelo que sem um exame clínico do animal torna-se impossível alcançar um diagnóstico.

Recomendo que consulte o seu médico veterinário com a maior brevidade, para que este faça um exame físico completo e, se necessário, exames complementares de forma a obter um diagnóstico e iniciar o tratamento o mais rápido possível.

Realço a importância de não administrar nenhum medicamento sem ordem médica, pois existem vários fármacos que são usados em medicina humana que são extremamente tóxicos, podendo ser mesmo letais, para os nossos animais de companhia.

Obrigado,

Carlos Sousa

Ana

Boa tarde, o meu cão anda a uns dias a coçar a orelha e reparamos agora que ele está com umas bolinhas e vermelho. O que aconselha a fazer

O veterinário responde

Boa noite Ana,

A manifestação de prurido (comichão) é o sinal clínico mais comum para uma grande diversidade de doenças dermatológicas caninas, e uma das razões mais frequentes de apresentação à consulta dermatológica. O prurido pode ter origem em causas  dermatológicas, sistémicas, neurológicas e psicogénicas. A maioria das doenças dermatológicas pruríticas em cães é causada por ectoparasitas (pulgas), infeções bacterianas ou fúngicas, ou por reações de hipersensibilidade (alergias). Como referido, o prurido pode ter muitas causas, logo a sua abordagem clínica não se limita às doenças de pele. Assim, deverá dirigir-se com a sua cadela ao seu médico veterinário com o objetivo de diagnosticar a causa deste problema e instituir a terapêutica necessária.

Obrigado,

Carlos Sousa

Gonçalo

Adotei uma gatinha de 3 meses, desde então tenho percebido que ela está com pulgas e também parece obcecada por comida, ela mia bastante sempre que me encontra na cozinha, mia sem parar, ela come bastante e defeca de 4 a 5 vezes por dia, estou preocupado.

O veterinário responde

Boa noite Gonçalo,

O grande problema do controlo das pulgas, não são as adultas, mas a contaminação massiva do ambiente por ovos e larvas que não se vêem, mas perpetuam a infestação. Assim, por cada pulga adulta que se vê, existem centenas de ovos e larvas escondidas: nas carpetes, frestas do soalho, por baixo de móveis, atrás de eletrodomésticos, etc. É, portanto, fácil de compreender que o combate eficaz desta infestação implique matar não só as pulgas que vemos no cão e no gato (5% do problema), mas também, as formas jovens, espalhadas pela casa e zonas exteriores. Existe uma variedade de produtos, que atuam nestas duas frentes:

- Para eliminar as pulgas adultas, estão disponíveis no mercado: coleiras, champôs inseticidas, pós, sprays, gotas de aplicação local (spot on) e comprimidos. Existem várias marcas comerciais com diferentes períodos de ação e diferentes eficácias. Deverá consultar o folheto informativo do produto que pretender, uma vez que a diferentes produtos correspondem diferentes posologias, nomeadamente a idade a partir da qual a sua aplicação é segura.

Para eliminar as formas jovens do ambiente, devemos recorrer a medidas mecânicas, físicas e químicas:

- As alcatifas, camas de animais e áreas de repouso na casa, devem ser aspiradas com um aspirador potente e, no final, deitar fora o saco do aspirador.

- As camas dos animais devem ser lavadas em água bem quente. Não usar palha ou algo similar nas suas camas.

- Existem, ainda, os sprays que podem ser espalhados pela casa e jardim, sobretudo nas zonas mais escondidas, para eliminar as larvas.

Qualquer que seja o método utilizado, evitar o acesso dos animais a zonas que sabemos estarem infestadas (jardins públicos, por exemplo), ajuda bastante.

Poderá optar pela utilização de dois produtos de ação distinta (por exemplo: pulgas adultas e ovos) de forma a eliminar de forma efetiva a infestação.

Aconselho a visualização do vídeo "Pulgas - como combatê-las?", na secção parasitas, aqui no petonline.

Obrigado,

Carlos Sousa