Formulário de procura

FIV: A sida dos gatos

Saúde

00:00
A sua classificação: Nenhum (5 votes)

Enviar vídeo a um amigo

Preencha os campos indicados em baixo.

Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

O vídeo foi enviado.

Ocorreu um erro ao enviar o seu vídeo.

Tente novamente.

Descrição

A imunodeficiência felina, também conhecida por “sida dos gatos”, é uma doença provocada por um vírus. Apesar do vírus FIV ser da mesma família do HIV, esta doença não se transmite aos humanos.

A imunodeficiência felina, também conhecida por “sida dos gatos”, é uma doença provocada por um vírus. Apesar do vírus FIV ser da mesma família do HIV, esta doença não se transmite aos humanos.

A forma mais comum de transmissão do vírus entre gatos, é através de dentadas, em que a saliva entra em contacto com o sangue. A transmissão entre mães e filhos, no útero, é também possível.

O vírus provoca uma diminuição das defesas do gato (imunossupressão), ficando mais sensível a infeções secundárias. Gatos infetados podem viver por alguns anos até que os sinais de doença progridam. Os sinais clínicos são muito variáveis, mas os mais comuns são a perda de apetite e de peso, depressão e dificuldade em comer. O diagnóstico é feito através de uma análise do sangue.

Os gatos com imunodeficiência felina não devem ter acesso ao ambiente exterior, não só porque são uma fonte de infeção para outros, mas também porque são mais suscetíveis. Tal como no HIV, ainda não existe cura para a imunodeficiência felina.

 O objetivo do tratamento consiste em evitar os efeitos que esta doença provoca, nomeadamente com o tratamento das infeções secundárias que se tornem evidentes.

O melhor método de prevenção é impedir o contato do animal com gatos dos quais não se conhece o estado sanitário (gatos de rua).

Como a doença está associada a lutas entre gatos, a castração do animal reduz o risco de contágio. A castração atenua, ainda, a vontade dos gatos procurarem fêmeas em cio, reduzindo a probabilidade de contágio por via sexual. Também lhes diminui o estímulo para sair de casa e, por isso, o gato terá menos vontade de ir ao exterior.

Por outro lado, se já tiver gatos em casa, não introduza outros sem antes levá-los ao veterinário para despistar esta e outras doenças. Faça também o rastreio ao seu gato para que não seja este a transmitir alguma doença ao novo inquilino.

Comentários