Formulário de procura

Que riscos corre a minha cadela ou gata durante a gestação e parto?

Reprodução

00:00
A sua classificação: Nenhum (1 vote)

Enviar vídeo a um amigo

Preencha os campos indicados em baixo.

Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

O vídeo foi enviado.

Ocorreu um erro ao enviar o seu vídeo.

Tente novamente.

Descrição

É muito importante que a gestação seja controlada por um médico veterinário, realizando pelo menos uma ecografia no inicio e no fim da gestação e, eventualmente, um raio-X no final.

É muito importante que a gestação seja controlada por um médico veterinário, realizando pelo menos uma ecografia no inicio e no fim da gestação e, eventualmente, um raio-X no final.

As situações anómalas que podem ocorrer durante a gestação ou parto só representam um risco de vida para a mãe, se não forem devidamente acompanhadas por um médico veterinário e podem ser as seguintes:

Distocia – incapacidade de expulsar os fetos pelo canal do parto. Pode ser devido a inércia uterina (falta de contrações ou contrações sem força suficiente), a um canal do parto demasiado estreito ou a fetos demasiado grandes (normalmente, ocorre em gestações com um único feto).

Motivos de preocupação:

- Contrações abdominais visíveis durante 30 ou mais minutos, sem que haja passagem de fetos.

- Membranas fetais visíveis por 15 ou mais minutos.

- Contrações abdominais fracas ou não produtivas, após 4 horas desde o começo do parto.

- Mais de 3 horas entre cachorros, sem sinais de trabalho de parto.

- Descargas vulvares anormais (com mau cheiro, com pus, verdes, sem a saída de cachorros).

- Ganidos ou mordeduras nos flancos e áreas vulvares com tentativas repetidas de urinar.

- Cadela deprimida ou doente.

- A não saída de todos os cachorros em 24 horas.

Eclampsia – é uma situação que coloca em risco a vida do animal.  Aparece mais frequentemente em cadelas de tamanho pequeno ou médio, no início da lactação (primeiros 21 dias) ou, mais raras vezes, durante a gestação. Deve-se a uma descida abrupta dos níveis de cálcio no sangue. Os donos notam a fêmea inquieta, ofegante, com hipersalivação, rigidez na marcha, ataxia, tremores, fricção facial e dores. Se não for tratada, pode ter convulsões, depressão respiratória e morte.

Aborto – é mais frequente nas gatas. Pode aparecer hemorragia vaginal ou apenas anorexia. É possível  sofrer reabsorção fetal ou aborto, sem manifestar qualquer anomalia clinica. Devemos recordar que a cadela e a gata podem abortar parte da ninhada e conseguir levar a termo a restante gestação.

Comentários