Formulário de procura

O que devo saber antes de “cruzar” o meu animal?

Reprodução

00:00
5
A sua classificação: Nenhum (6 votes)

Enviar vídeo a um amigo

Preencha os campos indicados em baixo.

Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

O vídeo foi enviado.

Ocorreu um erro ao enviar o seu vídeo.

Tente novamente.

Descrição

Ter em casa uma ninhada do nosso animal de estimação e todo o processo envolvido, é uma experiência fantástica, muito didática para os mais novos, mas também uma grande responsabilidade.

Ter em casa uma ninhada do nosso animal de estimação e todo o processo envolvido, é uma experiência fantástica, muito didática para os mais novos, mas também uma grande responsabilidade.

Esta deve ser decidida com o acordo de toda a família e estando completamente esclarecidos do que se irá passar nos 4 meses seguintes. Estes esclarecimentos e um exame ao estado de saúde da futura mãe, são essenciais, pelo que deve procurar o seu médico veterinário e dar-lhe conta desta intenção.

Após a escolha do macho que será o pai da ninhada, terá de ser combinado o encontro, geralmente, em casa do futuro pai e, normalmente, em 3 dias alternados. A data do primeiro encontro deve ser definida pelo médico veterinário, pois o período fértil é muito curto, apenas 3 a 5 dias, no caso das cadelas. Nas gatas é mais fácil, necessitando apenas de estar em cio (comportamento facilmente identificável).

Não se esqueça que esta decisão vai implicar algum tempo despendido e algumas despesas também, nomeadamente, com cuidados médicos preventivos, alimentação e higiene, antes e depois do nascimento da ninhada.

Algumas raças poderão ter mais de 10 cachorros e 6 ou 7 gatinhos. Deve ter-se a certeza de existirem, à partida, futuros donos para todos estes animais e de que serão donos conscientes e responsáveis, caso contrário, ver-se-á confrontado com esta responsabilidade de muito difícil resolução.

Finalmente, é necessário saber se existem condições físicas, nomeadamente, de alojamento, para o caso de ter uma ninhada grande, sendo que esta deverá permanecer com a mãe até aos 2 meses de idade.